Cartilha da adoção responsável

Antes de sermos sócias, eu e a Mari somos amigas há quase 20 anos! Nós somos amigas desde a época do colégio e uma das paixões que compartilhamos é o amor pelos animais. E a conexão é tanta, que agora na quarentena, na mesma semana, sem que uma contasse pra outra, nós duas adotamos um pet – para conhecer eles veja o vídeo que fizemos nesse link.

Nós somos super a favor da adoção mas sabemos que adotar um cão ou um gato é um ato de grande responsabilidade e que implica em assumir um compromisso que dura toda a vida do animal. E é importante deixar claro que um animal vive, em média, 15 anos e, durante todo esse tempo, é sua a responsabilidade de oferecer uma vida confortável e saudável para o seu pet.

Adotar um animal também requer planejamento e preparação. É por isso que, em conjunto com dois projeto da Grande Florianópolis (o Adote um Ronrom e o 4 Patas 1 Lar), elaboramos essa cartilha informativa sobre tudo que você precisa ter em mente antes de adotar um pet para chamar de seu.

 

 

1. FINANCEIRO:

Você tem que pensar (e planejar) se terá condições financeiras de arcar com todos os gastos que um animal demanda durante toda sua vida (lembrando que eles vivem em média 15 anos!) Gastos com ração de boa qualidade, idas periódicas ao veterinário, vacinas, remédios e etc. Você também deve levar em consideração que, infelizmente, seu pet pode adoecer e precisar de exames de maior complexidade, cirurgias e internações, o que vai gerar ainda mais gastos.

2. ESTRUTURA:

Sua casa pode precisar de adaptações para receber seu pet. No caso dos cães, se você mora em casa, deve prestar atenção na altura dos muros, se os portões de acesso possuem travas seguras e sem possibilidade de fuga. Também é indicado que os cães tenham algum tipo de identificação, para o caso de algum acidente. Para os gatos, é essencial que a casa ou apartamento seja telado, a fim de evitar que o bichano fuja ou mesmo caia das janelas.

3. ADAPTAÇÃO:

Independente da idade do seu pet, vale lembrar que a adaptação é sempre um período delicado. Ele vai ter que se acostumar com a casa nova, com as pessoas que moram ali e com outros animais que eventualmente já morem na casa. Algumas adaptações podem ocorrer de forma muito rápida. Outras, porém, podem levar semanas ou até meses. Paciência nesse período é essencial!

4. EXERCÍCIOS:

Diferentemente dos gatos, os cães adoram passear. Na verdade, eles até precisam passear para se exercitarem! O ideal é que você leve seu cachorrinho para passear umas duas vezes por dia, se ele for muito agitado o ideal é levar três vezes. Se você trabalha o dia inteiro fora, é legal cogitar levá-lo dois dias por semana para alguma creche pet. Além disso, é importante que os passeios comecem somente após a liberação do veterinário – tendo em vista as diversas vacinas –  e que sejam SEMPRE realizados com coleira e guia, evitando que o animal corra para a rua ou fuja do seu campo visual, se perdendo na rua ou até mesmo seja atropelado. Quanto aos gatos, embora eles não precisem sair de casa para passear, é importante proporcionar um ambiente rico de interações, com a colocação de prateleiras e arranhadores, permitindo que o gatinho se exercite.

5. FILHOTES:

Se você optar por adotar um pet ainda filhote, tenha em mente que os bebês apresentam um gasto inicial maior que um animal já adulto. Isso porque um filhote precisa tomar várias vacinas (algumas com mais de uma dose) e, ainda, o animalzinho deverá ser castrado quando atingir a idade indicada pelo veterinário. Lembrando que a castração é um procedimento que visa a qualidade de vida do animal e, também, a diminuição de crias indesejadas e o consequente aumento de animais de rua.

6. BARULHO:

Cães latem e gatos miam. Por mais óbvio que isso seja, é importante lembrar que esse é um dos meios pelos quais os animais expressam suas vontades e sentimentos. A intensidade pode variar bastante, mas tenha em mente que seu escolhido pode ser bastante “falador”. Além disso, principalmente no período de adaptação, os miados e latidos podem ser ainda mais frequentes. E, novamente, ter paciência é fundamental. Em alguns casos, um especialista também pode ajudar você a entender seu bichinho e, quem sabe, diminuir os latidos e miados na casa.

7. ACEITAÇÃO:

Se você não mora sozinho, é importante ter o consentimento de todas as pessoas que dividem a casa com você. É difícil resistir aos encantos de um cachorro ou de um gato. Mas algumas pessoas não gostam de animais, possuem alergias ou até medo de bichos e devemos respeitar. Todas as pessoas que moram na casa onde o novo pet será inserido precisam estar de acordo com a adoção e com todas as suas implicações. Isso facilitará não apenas as tarefas diárias, como também um bom convívio entre todos.

8. PERSONALIDADE:

É importante considerar a personalidade do pet. Se você é uma pessoa mais calma, que não gosta de muitas atividades e prefere ficar em casa vendo um filme, talvez um cachorro muito ativo não seja seu perfil. É sempre legal conversar com o responsável pelo animal que você pretende adotar sobre suas características e personalidade para ver se elas se encaixam ao perfil que você busca no pet. Caso você já tenha algum outro animal em casa, também deve ser levada em consideração a personalidade dele, a fim de evitar futuras brigas e uma adaptação mais tranquila.

9. ABANDONO:

A gente imagina que você já saiba, mas vale ressaltar que maus-tratos ou abandono de animais é considerado crime ambiental e pode resultar na pena de detenção de três meses a um ano e multa. 

Estas são apenas algumas questões que devemos levar em consideração antes de adotar um cachorro ou um gato, lembrando que cada ONG/projeto possuem regras específicas e que foram criadas com base nas suas experiências e indicações veterinárias e que devem ser respeitadas, e seguidas. Quando escolher a ONG/projeto que você irá adotar, é legal conversar com algum voluntário para saber mais sobre suas responsabilidades após a adoção.

Bastante coisa né? Não é a toa que muitas pessoas comparam os pets à crianças. Mas garantimos que o amor, carinho e alegria que esses bichinhos nos proporcionam vale a pena todo o esforço.

E aí, pronto para adotar também? Deixa um comentário pra gente se você tem mais dúvidas sobre adoção ou conta pra gente sobre sua experiência com adoção.