Convívio na pandemia

Os animais de estimação oferecem afeto aos seus tutores, independentemente da situação. E, em tempos de pandemia, esse amor se faz cada vez mais necessário – e constante. O convívio com os pets estimula a produção e a liberação de endorfina e serotonina, o que proporciona sensação de bem-estar e relaxamento (neste post falamos sobre os benefícios que eles trazem à nossa vida, principalmente na velhice). O vínculo entre pets e humanos é muito forte, e muitas vezes os animais servem como um pilar emocional em tempos difíceis. 

Que a pandemia mudou radicalmente a nossa rotina, todos já estamos cansados de ler e ouvir. Mas e a rotina dos nossos animais de estimação? Com o isolamento social, quarentena, home-office, a nossa rotina virou de cabeça para baixo – e a dos pets também. A quarentena estreitou o vínculo entre as pessoas e seus animais de estimação, e a vida dos pets também passa por profundas mudanças com a constante presença dos tutores em casa. Ao mesmo tempo que isso é maravilhoso, pode causar confusão para os pets, principalmente quando as coisas normalizarem. 

Essa semana realizamos uma breve pesquisa no nosso instagram que confirmou a aproximação dos nossos seguidores com seus bichanos. Mais de 50 pessoas responderam nossas perguntinhas sobre essa aproximação. Entre os participantes 89% consegue trabalhar em casa e 87% afirma que o convívio com seu pet aumentou, e bastante. Dois terços dos entrevistados diz estar mais apegado ao pet, e mais de 87% perceberam que o pet também está mais apegado. Além disso, 70% já se preocupa com as saudades que irá sentir após o isolamento. 

Pets gostam de rotina, eles sabem o horário da alimentação, do passeio e também o momento de dormir. Mudanças podem afetar diretamente o comportamento do seu pet, e se você perceber alteração no humor dele, procure estabelecer uma rotina para evitar um comportamento indesejado. Acostumados com contatos espaçados com seu tutor, normalmente intercalados com a hora do trabalho e a hora de dormir, os animais se viram rodeados constantemente pelos seus tutores. O que não pode ser esquecido, é que quando, a rotina do tutor voltar ao normal, os animais certamente sentirão falta do tutor. 

Para minimizar os efeitos dessa saudade que ambos irão sentir, é importante já ir acostumando seu pet a ficar sozinho. As adaptações, quanto mais gradativas forem, melhor para o pet se acostumar. Primeiramente se ausente por poucos minutos de casa e vá aumentando – aproveite o período de quarentena para deixá-lo sozinho em algum cômodo, por exemplo. Deixar itens de enriquecimento variados para o pet aprender a brincar sozinho também é indicado. Essa dica foi elaborada em parceria com a Veterinária Iona Araújo e com a Adestradora Susa. No início da quarentena bolamos diversas dicas para passar o período com seu pet, e o conteúdo virou um vídeo bem bacana disponível no nosso IGTV. Falamos sobre alimentação, sono, pets idosos, obesos, e também trouxemos dicas sobre rotina, separação e atividades mentais – super relevantes para o momento.

Você sabia que 15 min de atividade mental para o seu pet equivalem a 45 min de atividade física?! Apresentar novos desafios, brinquedos e treinos novos, estimula a inteligência, diminui o estresse e ansiedade e, aumenta a imunidade do seu pet. Cachorros habituados com atividades ao ar livre, naturalmente vão sentir falta destas práticas, por isso a recreação é fundamental para o bem estar dos pets durante a quarentena. Da mesma forma como eles nos ajudam a superar esse momento difícil, é importante que a gente retribua todo esse cuidado com eles. 

Conta para a gente o que mudou na sua relação com seu pet durante a quarentena, o que vocês têm feito juntos para se ajudarem durante esse período, e se você também irá sentir falta dessa convívio intensificado pelo isolamento.